Pastor Josias Moura

Estudos Bíblicos, sermões, cursos ead, Teologia, Bibliotecas digitais, apostilas

OBSTÁCULOS À ADORAÇÃO

6. OBSTÁCULOS À ADORAÇÃO

6.1 – Atitude Incoerente – um espírito ferido, amargurado, de incredulidade, ou ressentimento, ou vingança, cobrança pela dívida moral do passado de outro, impedem uma adoração real. É necessário retirar do íntimo todo e qualquer espírito faccioso se pretendermos nos aproximar de Deus (Mt 5:23-24).

6.2 – Falso Ritualismo e Tradicionalismo – toda prática que faz parte da liturgia das igrejas teve sua origem em boas intenções. Entretanto, o bom desejo por um culto ordeiro, muitas vezes acarreta na implantação de atividades que, com o tempo, vão sendo exercidas mecanicamente. Tornam-se uma porta aberta para um falso ritualismo, um mero exercer automático de atividades religiosas, bem como uma crescente convivência com a hipocrisia. Devemos lembrar que Deus examina nossas intenções mais íntimas, muito antes de começar a adorá-lO. Portanto, se há hipocrisia, o Senhor exige arrependimento e a volta à Sua Palavra, não aceitando o continuismo de rituais e tradições desprovidos da verdade.

6.3 – A Rotina – assim como em nossa vida surgem hábitos que regulam o nosso dia-a-dia, com muita facilidade a rotina pode caracterizar os cultos. Estes tornam-se monótonos, com repetições cansativas, sendo um obstáculo à adoração.

Quando a rotina toma conta, o adorador precisa estar disposto a pensar, a mudar os hábitos estéreis e revitalizar o "resto que estava para morrer" (Ap 3:2).

Quem se "acostuma" com Deus será condenado por causar-lhe cansaço, como aconteceu com Israel no tempo de Isaías (Is 1:14).

6.4 – Amor às coisas do mundo – as vaidades humanas, os prazeres, pessoas, lugares, desejos e pensamentos que consciente ou inconscientemente tomam o primeiro lugar de Deus, nos impedem de adorar ao Senhor em espírito e em verdade. "Se você se encontra amando qualquer prazer mais do que as orações ou a Bíblia, qualquer casa mais do que a de Deus, qualquer pessoa mais do que Cristo, você está correndo o perigo do mundanismo" (citação de Guthrie, registrada em "Adoração Bíblica", p.131, Ed. Vida Nova, Dr. Russell Shedd).

6.5 – Pecado não confessado – somente após a confissão do pecado, tendo a confiança no sangue purificador de Cristo, teremos livre acesso ao Trono da Graça (Hb 4:16). No Velho Testamento, antes do sacerdote oferecer sacrifícios a Deus pelo pecado dos outros, ele era obrigado a purificar-se por seus pecados (Ex. 30:17-20).

6.6 – O Desinteresse e a Ingratidão – a época em que vivemos, notabiliza-se pelos grandes empreendimentos e mudanças rápidas. Os meios de comunicação (rádio, TV e jornais), aprimoram-se para cativar cada vez mais as nossas mentes. Muitos cristãos com isto, mostram desinteresse pelos valores eternos, ocupando seu tempo e mentes com seus interesses e preocupações, deixando pouco espaço para os elementos da adoração: louvor, comunhão, oração e gratidão.

6.7 – A Preguiça e a Negligência – os motivos que geram a preguiça são comuns: sono, o contágio por outros preguiçosos, e um ambiente onde o culto não é valorizado. A pessoa desmotivada, deixa alguma coisa ocupar o lugar de prioridade, que antes pertencia ao Espírito. Ocorre a diminuição da "fome" pela comunhão com o Senhor. Como conseqüência natural, vemos um aumento da negligência às coisas de Deus. O irmão André (Missão Portas Abertas) disse que é mais fácil "esfriar" um fanático do que "esquentar" um cadáver.

6.8 – Repressão Satânica – o inimigo detesta ouvir as pessoas louvando a Deus. Foi o profundo ciúme de Satanás em relação a Deus que causou sua queda. Ele tenta desanimar e suprimir todo louvor dirigido a Deus por parte dos crentes sinceros.

7. OS CONTRASTES DA ADORAÇÃO DO VELHO E NOVO TESTAMENTO

7.1 – A Adoração e o Tempo

O culto em Israel no Velho Testamento, foi divinamente determinado (Nm 29:39). Estes cultos eram considerados partes centrais na adoração a Deus. Os eventos passados, nos quais Deus agira, nunca deveriam ser esquecidos. Havia o sacrifício diário, o descanso do sábado, os primeiros dias do mês e as cinco festas anuais do período pré-exílio, além do ano do jubileu.

Para os cristãos da Nova Aliança com Deus, as "festas fixas" também chamadas de "tempos designados" foram rompidos. O tempo é fundamental por causa da salvação que Deus proporcionou na História ( em grego "kairós"). O tempo perdeu seu significado sacro, a visão cristã santificou todos os tempos.

A Igreja Judaica continuou a observar os sábados e celebrar as festividades, mas a motivação era meramente um fenômeno cultural.

A celebração cristã do significado da cruz, que liberta o homem do pecado, transpõe ao tempo e deve ser contínua. O mundo físico e material deve ser encarado do ponto de vista espiritual. Não há mais diferença sobre o momento do mais apropriado para adoração. Toda nossa vida, quer seja o trabalho, a profissão ou nossas atitudes de oração, cantar, ir à igreja, tudo deve ser uma celebração da nossa vida em Cristo.

7.2 – O Templo

No antigo Israel, Deus escolheu locais especiais para Se revelar no decorrer da história. O Santo dos Santos, o Tabernáculo e o Templo, foram lugares de adoração. Com a vida ressurreta de Jesus e a descida do Espírito Santo, anularam-se as distinções geográficas "santas". A Glória de Deus ("Shekinah"), antes localizada no Templo, agora habitaria no Filho (Jo 1:14) e seria compartilhada com todos os que nEle habitam (Jo17:22).

Paulo identifica a Igreja com aqueles que em todo lugar invocam o nome do Senhor Jesus Cristo (1 Co 1:2), presumivelmente na assembléia dos santos. Os membros da Igreja precisam se reunir para se edificarem uns aos outros (1 Co 14:26).

7.3 – O Sacrifício

No Antigo Pacto, sacerdote e pecador se uniam para oferecer a Deus uma vítima sacrificial propiciatória.

Do ponto de vista cristão, todo sacrifício animal é contrastado com a morte expiatória de Cristo. Apenas através do Servo Sofredor, o Filho de Deus, é que qualquer pecador tem livre e pleno acesso à presença de Deus (Rm 5:1; Hb 10:19). Cabe aos crentes a gratidão pelo sacrifício de Cristo na cruz.

7.4 – O Sacerdócio

O sacerdócio sob a Antiga Aliança, unido ao Templo, sacrifica e festeja como uma parte essencial ao rito estabelecido por Deus, através do qual Seu povo poderia adorá-Lo. Os sacerdotes eram pontes vivas entre o Deus Santo e o homem pecador. Deus tinha confiado a Israel Seus oráculos (Rm 3:2), a nação foi consagrada como um "reino de sacerdotes" (Ex 19:6). A missão de Israel consistia em tornar o nome e a vontade de Deus conhecidos por todas as nações.

Pela sua união com Cristo, a Igreja tornou-se um "reino" e seus membros, sacerdotes. O Novo Israel tem a responsabilidade de executar a missão original do Antigo Israel, isto é, proclamar as "virtudes daquEle que vos chamou das trevas para Sua maravilhosa luz"(1Pe 2:9).

A Igreja também, como os sacerdotes, foi consagrada para ministrar em favor dos homens, através da intercessão.

Outro ministério sacerdotal da Igreja, é o de ajuda mútua. Nas páginas do Novo Testamento, acumulam-se cerca de 35 exemplos de responsabilidade mútua, indicados pela frase "uns aos outros".

O Novo Testamento nos desafia a nos apropriarmos do verdadeiro conceito de adoração. Todos os pensamentos, palavras e atos devem ser realizados como adoração, porque o Cordeiro é "digno de receber o poder, a riqueza e a sabedoria, força, honra, glória e louvor" (Ap 5:12).

Para Sua honra, glória e benção, falamos, escrevemos, trabalhamos, brincamos, comemos e dormimos, pois Ele é digno de toda força da vida que pulsa dentro de nós (1 Co 10:31 – portanto, quer comais, quer bebais ou façais qualquer coisa, fazei tudo para a glória de Deus).

Fonte: "Adoração Bíblica", Russell Shedd, Ed. Vida Nova

É formado em Teologia,  Análise e desenvolvimento de Sistemas e Licenciatura em Matemática. Especializado  em Tecnologias de aprendizagem a distância,  produção de conteúdos digitais para a Internet e Mestre em Teologia.

 >>  MAIS INFORMAÇÕES SOBRE O AUTOR

compartilhe esta mensagem:

Facebook
Google+
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Pinterest
Print
Email

Postagens relacionadas

CURSOS EAD
Faça um curso Ead 
Gratuito
com certificação

Cursos a distância gratuitos

Cursos Ead parceria 
Setebras

Curso Ead: Introdução ao Marketing digital

Curso Ead gratuito parceria com o Setebras.

Curso Ead: Introdução ao Marketing digital

Mais informações aqui

Curso Ead: Gestão de Projetos

Curso Ead gratuito parceria com o Setebras.

Curso Ead: Gestão de Projetos

Mais informações aqui

Curso Ead: Inovação e Criatividade

Curso Ead gratuito parceria com o Setebras.

Curso Ead: Inovação e criatividade

Mais informações aqui
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
POSTAGENS ANTERIORES

Faça um curso teológico Gratuito

QUER FAZER UM CURSO DE TEOLOGIA GRATUITAMENTE?

Faça um curso de teologia com acesso gratuito a todo o conteúdo em nosso ambiente de educação a distância. 

 

CLIQUE AQUI PARA MAIS INFORMAÇÕES


 

Veja também o nosso vídeo divulgativo:

Assine este site.

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 6.986 outros assinantes

Rolar para cima
%d blogueiros gostam disto: