Pastor Josias Moura

Estudos Bíblicos, sermões, cursos ead, Teologia, Bibliotecas digitais, apostilas

Estudo para Encontro de homens, mulheres e jovens. Tema: Refletindo a luz de Cristo em um mundo em trevas

Refletindo a luz de Cristo

em um mundo em trevas

Mateus 5.14-16

INTRODUÇÃO

A luz se impõe em qualquer lugar, pode ser vista a distância, orienta os navios e também aviões, em uma concisa definição técnica o termo luz significa: “radiação eletromagnética à qual a visão reage”, mas o seu sentido aqui é mais lato, amplo, por exemplo, ela é sinônima de esclarecimento ou orientação (veja Salmo 119.105), e segundo o texto em foco, a luz ilustra- entre outras coisas – a influência do Evangelho e o testemunho da Igreja no mundo.

PROPOSIÇÃO: A luz de Cristo dissipa toda treva e ilumina o caminho para o céu.

I-A IGREJA REFLETE A LUZ DE CRISTO.

Jesus compara os Seus discípulos ao sal e à luz, dois elementos muito necessários na vida das pessoas. Como sal verdadeiro temperamos os nossos relacionamentos com um caráter ilibado, semelhante ao de Cristo e como luz atraímos os perdidos para Deus, praticando os valores do cristianismo, como: a retidão, o amor fraterno, as boas obras etc. (veja João 13.35). Discernimos o sal pelo contato e a luz pela simples visão. Neste sentido, alguns precisam ver para crer (v. 16).

A Igreja não tem luz própria, mas o sangue de Jesus a toma tão alva a ponto de permitir que reflita a luminosidade que vem de Cristo (veja João 8.12). As Escrituras apresentam ou prefiguram Jesus Cristo como “…o sol da Justiça” (Ml 4.2), a resplandecente Estrela da Manhã (Apocalipse 22.16), a “…coluna de fogo” no deserto (Ex 13.21) nosso verdadeiro Guia e o centro de todo o Universo em torno do qual todos nós gravitamos (João 8.12; Tiago 1.17).

João declara que “Deus é luz, e não há nele treva nenhuma” (1 Jo 1.5), em outras palavras, Ele é absolutamente perfeito. Uma porção desse padrão de perfeição moral e ético também passa a fazer parte de nossa vida no exato momento em que nos convertemos a Cristo pela fé: “Enquanto tendes a luz, crede na luz, para que vos tomeis filhos da luz” (Jo 12.36). Neste caso, ter luz significa estar na direção certa, estar bem orientado, pois as trevas são sinônimo de pecado, ignorância da verdade e coisas semelhantes (veja João 12.46).

A comparação de Jesus é forte (“vós sois a luz do mundo”) e faz referência ao nosso exemplo de vida. Segundo Ele, esse excelente padrão de vida deve ser colocado à mostra (v. 15 “não debaixo do alqueire” – ‘módios’ – vaso ou cesto), pois a luz se opõe às trevas (pecado, vida desregrada). Dessa forma, nosso testemunho deve influenciar positivamente os descrentes a ponto de motivá-los a vir para Cristo. Esta é a maneira de “alumiarmos” o Caminho da Vida, para quem está perdido neste mundo tenebroso.

II-O BRILHO DE CRISTO NO CRENTE ATRAI OS PERDIDOS PARA DEUS.

Do mesmo modo que Moisés apresentava em seu rosto uma glória ou brilho inconsciente, a qual refulgia sobre todos, assim são os verdadeiros cristãos com seu irrepreensível testemunho de vida. Nossas ações falam ou aparecem mais que nossas palavras. Moisés conduzia o povo pelo deserto em direção à Terra Prometida porque a luz de Deus estava sobre ele, por isso ele sabia por onde ia e onde queria chegar (veja Êxodo 34.29).

Todo crente é uma espécie de referência moral e espiritual para os não-crentes, pois se acredita que um cristão verdadeiro não deve furtar, falar mal dos outros, consumir bebidas alcoólicas, fumar ou jogar dinheiro fora em jogos de azar (veja I Coríntios 6.9-11). Isto não deixa de ser verdade, pois somos seguidores ou “imitadores” de Cristo (ICo 11.1), e buscamos reproduzir tudo aquilo que combina com Ele do mesmo modo que rejeitamos tudo o que destoa com seu caráter.

O pecador sente-se atraído para nós em razão da diferença interior (caráter) e nunca da exterior (costumes: cabelo, roupas etc.). Pedro fala disso às mulheres cristãs que desejam ganhar seus maridos não convertidos, veja: “…seja ganho, sem palavra alguma, por meio do procedimento de sua esposa, ao observar o vosso honesto comportamento cheio de temor (…) espírito manso e tranqüilo” (lPe 3.1,2,4). Quando existe, essa diferença se destaca, brilha, chama a atenção!

III-A MISSÃO DA IGREJA EM UM MUNDO PERDIDO

A Igreja não é o caminho para o céu. mas a seta. Alguém já disse, o crente é como um mendigo que fala para outro mendigo onde tem pão (veja Lucas 11.5-8). Não somos a luz, mas testificamos da nossa experiência com a verdadeira Luz (João 1.8,9), que nos tirou do “…império das trevas e nos transportou para o reino do Pilho do seu amor” (Cl 1.13). Em Cristo, Deus se tornanosso “Pai das luzes” e “Pai espiritual” (Tg 1.17; Hb 12.9).

A missão da Igreja em relação ao mundo é basicamente duas: Primeiro, devemos ser “testemunhas” de Cristo (At 1.8), ou seja, testificar aos não-salvos que Cristo é o Caminho, a Verdade e a Vida (veja João 14.6). O testemunho também inclui nossa mudança de vida, veja um exemplo: “Vai para tua casa, para os teus. Anuncia-lhes tudo o que o Senhor te fez e como teve compaixão de ti” (Mc 5.19). Nosso dever é apresentar Cristo aos outros (2Coríntios 5.18), contar-lhes sobre como obter a vida eterna (Atos 4.12).

A segunda parte de nossa missão está contida na expressão: “…vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus” (v. 16). Está em vista obras de caridade ou misericórdia. Tem a ver com o nosso amor ao próximo, que deve ser convertido em atos de generosidade, compaixão e ou de serviço amoroso e desinteressado. As necessidades básicas de uma pessoa são: amor (visita: leito de dor ou cadeia), ensino, saúde, alimento, roupas etc. (veja Mateus 25.34-40). Seguimos o exemplo de Cristo (João 20.21; cf ainda lPedro 2.11,12) se buscarmos atender as carências dos nossos semelhantes.

CONCLUSÃO

Obtemos o brilho ou a luz de Cristo sobre nós por meio da experiência regeneradora que tivemos com Ele no dia de nossa conversão, e conservamos e intensificamos esse fulgor glorioso de Deus nos santificando, sendo controlado pelo Espírito Santo, estando bem juntinho de Jesus Cristo, como Moisés que estava junto de Deus no monte Horebe (veja Êxodo 34.29-35). Devemos ser uma coluna de metal polido para refletirmos a verdade e a retidão de Cristo diante de um mundo tão carente da luz de Deus.

Fonte: https://pastorjosiasmoura.com/

É formado em Teologia,  Análise e desenvolvimento de Sistemas e Licenciatura em Matemática. Especializado  em Tecnologias de aprendizagem a distância,  produção de conteúdos digitais para a Internet e Mestre em Teologia.

 >>  MAIS INFORMAÇÕES SOBRE O AUTOR

compartilhe esta mensagem:

Facebook
Google+
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Pinterest
Print
Email

Postagens relacionadas

CURSOS EAD
Faça um curso Ead 
Gratuito
com certificação

Cursos a distância gratuitos

Cursos Ead parceria 
Setebras

Curso Ead: Introdução ao Marketing digital

Curso Ead gratuito parceria com o Setebras.

Curso Ead: Introdução ao Marketing digital

Mais informações aqui

Curso Ead: Gestão de Projetos

Curso Ead gratuito parceria com o Setebras.

Curso Ead: Gestão de Projetos

Mais informações aqui

Curso Ead: Inovação e Criatividade

Curso Ead gratuito parceria com o Setebras.

Curso Ead: Inovação e criatividade

Mais informações aqui
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
POSTAGENS ANTERIORES

Faça um curso teológico Gratuito

QUER FAZER UM CURSO DE TEOLOGIA GRATUITAMENTE?

Faça um curso de teologia com acesso gratuito a todo o conteúdo em nosso ambiente de educação a distância. 

 

CLIQUE AQUI PARA MAIS INFORMAÇÕES


 

Veja também o nosso vídeo divulgativo:

Assine este site.

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 6.988 outros assinantes

Rolar para cima
%d blogueiros gostam disto: