Pastor Josias Moura

Estudos Bíblicos, sermões, cursos ead, Teologia, Bibliotecas digitais, apostilas

ESTUDO EBD. TEMA: A RESSURREIÇÃO DO CORPO. DATA: 17.11.2013

A RESSURREIÇÃO DO CORPO

Creio “na ressurreição do corpo."

COPIA DO ARQUIVO: A RESSUREIÇÃO DO CORPO

I Coríntios 15.50-58

A doutrina cristã da ressurreição do corpo é, com certeza, uma das mais belas e consoladoras. A esperança da ressurreição produz alento e torna ple­na de sentido a existência humana. A crença nessa doutrina faz uma grande diferença na vida do crente. Ela ensina a valorização do corpo, o qual não é descartável, e produz uma saudável expectativa quanto à vida futura.

0 conceito de que o corpo é mau e inferior ao espírito, é rechaçado atra­vés desta importante afirmação de fé: “Creio na ressurreição do corpo”.

Já nos dias do Novo Testamento havia um grupo – os saduceus – que não acreditava na ressurreição (Mt 22.23). Hoje também há muitos que não aceitam esta doutrina. Por exem­plo, os materialistas acreditam que com a morte tudo acaba, não haven­do nenhuma possibilidade de ressur­reição. Também os adeptos da reencarnação – doutrina espírita – não aceitam o ensino bíblico da ressurrei­ção.

A abordagem do tema neste estu­do tem por objetivo: a) o fortalecimen­to da convicção quanto à fundamenta­ção bíblica da doutrina; b) a valoriza­ção do corpo; c) a compreensão da integralidade que caracteriza a vida ressurreta.

1. A RESSURREIÇÃO DO CORPO TEM POR BASE A RESSURREIÇÃO DE CRISTO

Em Corinto havia pessoas que es- tavam negando a ressurreição. Influ­enciadas pelo pensamento grego que considerava a matéria e o corpo como inferiores e maus, tais pessoas estavam desmerecendo a ressurreição. A partir daí, Paulo argumenta com base na ressurreição de Cristo – fato histó­rico irrefutável (15.1-11) – a garantia da nossa ressurreição. Aquelas pesso­as não tinham como negar a ressurrei­ção de Cristo. Então, Paulo, ironica­mente, argumenta dizendo que se não há ressurreição de mortos, então Cris­to não ressuscitou e, se Cristo não res­suscitou, a fé não tem nenhum senti­do (I Co 15.12-19). Mas, logo em se­guida, 0 apóstolo retoma o tom solene de sua pregação e declara: “Mas, de fato, Cristo ressuscitou dentre os mortos, sendo ele as primícias dos que dormem” (15.20). Sobre esta afir­mação, 0 teólogo Leon Morris declara: “As primícias compreendiam o primei­ro feixe da colheita, que era trazido ao templo e oferecido ao Senhor (Lv 23.10,11). Num sentido, ele consagra­va toda a colheita. Além disso, primícias implica na existência de fru­tos posteriores. Ambas as idéias vão ao ponto aqui. Cristo não foi o primei­ro a ressuscitar dos mortos. Na verda­de, Ele próprio ressuscitara a alguns. Mas eles tinham que tornar a morrer. A ressurreição de Cristo foi para uma vida que não conhece a morte, e, nes­te sentido, Ele foi o primeiro, o precur­sor de todos os que haveriam de estar nele” (/ Coríntios – Introdução e Co­mentário, Mundo Cristão/Vida Nova).

A ressurreição de Cristo é, portan­to, a base e a garantia da nossa res­surreição. Isso porque a ressurreição de Cristo representa a vitória definitiva da vida sobre a morte (I Co 15.21-26,

54-57). Em virtude disso, a nossa res­surreição está garantida. Uma vez res­suscitados, jamais morreremos. E o Cristo ressurreto nos assegura: “De fato, a vontade de meu Pai é que todo homem que vir o Filho e nele crer te­nha a vida eterna; e eu o ressuscita­rei no último dia” (Jo 5.40).

2. A RESSURREIÇÃO DO CORPO CONFIRMA O VALOR QUE O MESMO POSSUI

A influência da filosofia grega foi muito forte no sentido de menospre­zar O corpo e exaltar o espírito. Porém, a declaração de fé apostólica sobre a ressurreição do corpo, corrige o equí­voco do pensamento grego e resgata 0 valor e a dignidade do corpo criado por Deus, cujo valor é tão elevado quanto o da alma. 0 corpo não é descartável.

Na perspectiva da ressurreição, a morte do corpo é comparada ao pro­cesso da semente que é lançada na ter­ra e, temporariamente parece estar morta, mas depois brota cheia de vida (I Co 15.36,37).

Através da ressurreição comprova- se, portanto, o valor e a sublimidade do corpo. Sendo assim, devemos dis­pensar ao corpo um tratamento hon­roso. Um dos equívocos da tradição protestante é a excessiva repressão a tudo quanto diz respeito ao corpo. Mas o corpo é tão sublime e espiritual quanto a alma. É por isso que Paulo orien­ta: “Glorificai a Deus no vosso cor­po” (I Co 6.20).

Todas as humilhações que o corpo sofre hoje (incluindo a própria morte), serão revertidas pela ressurreição: “Se­meia-se O corpo na corrupção, res­suscita na incorrupção. Semeia-se em desonra, ressuscita em glória. Semeia-se em fraqueza, ressuscita em poder. Semeia-se corpo natural, ressuscita corpo espiritual” (I Co 18.42-44).

3. A RESSURREIÇÃO DO CORPO ELEVA-NOS A UMA CONDIÇÃO SUPERIOR

Em Filipenses 3.21, Paulo afirma que 0 Senhor “transformará o nosso corpo de humilhação, para ser igual ao corpo da sua glória”.

Em I Coríntios 15, o apóstolo apre­senta 0 mesmo ensino, ao afirmar que os mortos ressuscitarão incorruptíveis e seus corpos serão revestidos de imortalidade (15.50-58). Segundo no­tas da Bíblia Sagrada Edição Pastoral, “não se pode imaginar a ressurreição como simples reviver, ou simples vol­ta às condições da vida terrestre. 0 ser humano passará para uma condição inteiramente nova: este corpo ‘animal’, mortal, que nos foi transmitido pelos nossos pais, torna-se ‘espiritual’, isto é, recebe vida nova do Espírito que Cristo nos dá”. 0 apóstolo João refe­re-se a esse privilégio indescritível, di­zendo que quando o Senhor se mani­festar “seremos semelhantes a ele, porque haveremos de vê-lo como ele é” (I Jo 3.2).

Na eternidade teremos, portanto, um corpo perfeito, glorificado e imor­tal. Um corpo, em todos os aspectos, superior a esse corpo terreno sujeito à corrupção. Em seu livro Reencarnação ou Ressurreição? (Vida Nova), John Snyder escreve: “Assim como a flor é mais do que a sua semente, e a borbo­leta mais do que sua larva, assim a pessoa ressurreta é mais substancial e gloriosa do que quando estava em seu estado anterior”. 0 ser humano é integral: corpo (matéria) e alma (espí­rito). Na eternidade esta integralidade será preservada graças à ressurreição e transformação do corpo.

DISCUSSÃO

1. Que diferença faz para nós, hoje, a crença na doutrina da ressurreição?

2. Frente às diversas doutrinas cor­rentes, de que argumentos bíblicos dis­pomos para sustentar a doutrina da ressurreição?

É formado em Teologia,  Análise e desenvolvimento de Sistemas e Licenciatura em Matemática. Especializado  em Tecnologias de aprendizagem a distância,  produção de conteúdos digitais para a Internet e Mestre em Teologia.

 >>  MAIS INFORMAÇÕES SOBRE O AUTOR

compartilhe esta mensagem:

Facebook
Google+
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Pinterest
Print
Email

Postagens relacionadas

CURSOS EAD
Faça um curso Ead 
Gratuito
com certificação

Cursos a distância gratuitos

Cursos Ead parceria 
Setebras

Curso Ead: Introdução ao Marketing digital

Curso Ead gratuito parceria com o Setebras.

Curso Ead: Introdução ao Marketing digital

Mais informações aqui

Curso Ead: Gestão de Projetos

Curso Ead gratuito parceria com o Setebras.

Curso Ead: Gestão de Projetos

Mais informações aqui

Curso Ead: Inovação e Criatividade

Curso Ead gratuito parceria com o Setebras.

Curso Ead: Inovação e criatividade

Mais informações aqui
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
POSTAGENS ANTERIORES

Faça um curso teológico Gratuito

QUER FAZER UM CURSO DE TEOLOGIA GRATUITAMENTE?

Faça um curso de teologia com acesso gratuito a todo o conteúdo em nosso ambiente de educação a distância. 

 

CLIQUE AQUI PARA MAIS INFORMAÇÕES


 

Veja também o nosso vídeo divulgativo:

Assine este site.

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 6.988 outros assinantes

Rolar para cima
%d blogueiros gostam disto: