Pastor Josias Moura

Estudos Bíblicos, sermões, cursos ead, Teologia, Bibliotecas digitais, apostilas

Estudo Bíblico para o culto de doutrina da Igreja Betel Brasileiro Geisel. Tema: Vivendo para Ser e fazer discipulos–O poder do Senhor do Discipulado.

VIVENDO PARA SER E FAZER DISCIPULOS:

O PODER DO SENHOR DO DISCIPULADO

Texto Básico: Jo 3.35; 5.19; 10.30; 17.1-5

Texto Áureo: Mt 28.18 Texto Devocional: lTm 6.13-16

INTRODUÇÃO

Para a igreja primitiva, Jesus era plenamente o Senhor. Sua realeza era incontestável. "IESOUS KURIOS" ou "JESUS É O SENHOR" era a declaração que estava em todas as bocas. No iní­cio, o apóstolo Pedro, no sermão da descida do Espírito Santo, disse: "E acontecerá que todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo" (At 2.21).

A palavra grega KURIOS (Senhor) corresponde ao termo hebraico IAVEH ou JEOVÁ (melhor a primeira forma), que é o nome de Deus dado a Moisés: "EU SOU" (Êx 3.14).

Proclamemos a supremacia de Jesus Cristo em todas coisas. Ele é o Senhor do poder. No Antigo Testamento, preexistia – Ele mesmo o disse: "Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade eu vos digo: Antes que Abraão existisse , eu sou" (Jo 8.58).

O apóstolo Paulo, de forma semelhante a Pedro, testemu­nhou aos romanos: "Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor, será salvo" (Rm 10.13).

O nome do Senhor Jesus é a garantia de todas as bênçãos do discipulado, porque n’Ele há poder.

I. A ONIPOTÊNCIA DE JESUS

1. Verdade que está expressa no texto bíblico. A onipo­tência de Jesus está clara em Mt 28.18: "Jesus, aproximando-se, falou-lhes, dizendo: Todo a autoridade me foi dada no céu e na terra". Há muitas referências ao poder de Jesus nos Evangelhos (Mt 13.54; Mc 5.30; Lc 5.17; 6.19; 9.1), no livro de Atos (10.38), nas Epístolas (Rm 1.4; ICo 1.24; 5.4) e no Apocalipse (5.12,13).

2. Jesus é Deus e tem os atributos da divindade. Jesus foi chamado de Deus: "…e estamos no verdadeiro, em seu Filho Jesus Cristo. Este é o verdadei­ro Deus e a vida eterna" (I Jo. 5.20); "…o nosso único Soberano e Senhor, Jesus Cristo" (Jd 4).

3. Jesus exerceu autoridade. Em seu ministério terreno, Jesus agiu sem­pre como homem e nunca como Deus. Mas Ele conhecia muito bem o caminho da vitória através da oração, pelo que vivia em oração e intensa comunhão com o Pai. Sua autoridade baseava-se na sua santidade, jamais havendo cometido enga­no ou pecado e por obter resposta do Pai nas suas orações. Quando ia ressuscitar Lázaro, orou: "Pai, graças te dou por me haveres ouvido. Eu bem sei que sempre me ouves…" (Jo 11.41b-42a). Na oração sacerdotal, Jesus pediu em favor dos seus discípulos: ".. .eles continuam no mundo, ao passo que eu vou para junto de ti. Pai santo, guarda-os em teu nome…" (Jo 17.11). Jesus podia garantir aos discípu­los a segurança, porque tinha autoridade. E o fazia na certeza de cumprir a vonta­de do Pai. E garantiu aos discípulos: "Não vos deixarei órfãos, voltarei para vós outros" (Jo 14.18).

II. A NATUREZA DO DISCIPULADO

1. Somos discípulos porque fomos chamados. Fomos objeto do convi­te de Deus. Tanto judeus como gregos. A convocação do Senhor tem um propósito definido: testemunhar e agir no poder de Deus, manifestando sabedoria (ICo 1.24). Nossa década da Informação está cheia de novidades. Também na igreja? Se elas afetam o conteúdo do seu discurso, há perigo à vista, que está, por vezes, bem perto de nós. Muitos querem receber o poder e usufruí-lo, mas de forma descompromissada. De modo mais cômodo, sem passar pela cruz (Mt 10,38). Se muitos gostam, por que não oferecer um discipulado com sabor adocicado? E bíblica esta postura? Certamente não! O Senhor concede o seu poder aos discípu­los, para que cumpram sua missão de modo correto, com base na fidelidade. Mesmo que isto lhes custe a vida.

2. Fomos criados para a aventura da fé. O homem nasceu com esta característica. Se a igreja não a canaliza para o discipulado, os promotores do reino das trevas desviam-na para a sedução. Estão aí o carnaval, os programas de sexo, os estádios cheios para o rock… Quanta atividade pode ser feita motivando a igreja! A Macedônia, por exemplo, foi despertada para uma mobilização doadora (2Co 8.5). Lá, as igrejas foram tocadas pela fé. Conheciam a tribulação e a pobreza (v. 2). Todavia, foram além do que o apóstolo Paulo esperava. Aconteceu assim, porque se deram primeiramente ao Senhor. Então arranjaram meios para fazer uma coleta a favor dos cristãos pobres da Judéia.

III. PROVISÃO DO PODER

1. O discipulado eficaz requer poder. Davi oferecia ações de graça nas horas difíceis (SI 34). Nas horas de vitória (SI 21). Ele sabia o que era escrever: "na tua força, Senhor, o rei se alegra!…" Ainda: "Exalta-te, Senhor, na tua força! Nós cantaremos e louvaremos o teu poder" (SI 21.1,13).

2. Apóstolos com provisão de poder. Em At 4.33, os discípulos mostra­ram que tinham poder. Falavam sobre a ressurreição de Jesus. Sobrava a graça nas suas vidas. A provisão de poder requer intimidade com Jesus e sua Palavra. O discípulo tem a bem-aventurança que vem da leitura, da audição e da obediência à Palavra de Deus. Com uma Identidade assim, o poder do Senhor se manifestará sempre no trabalho do discipulado. Amém!

CONCLUSÃO

Grande é a satisfação daquele que exerce uma atividade apoiada por al­guém dotado de muito poder. Assim acontece no mundo material, com respeito aos governos poderosos, de nações ricas e dominadoras; também com relação às nações admiradas por sua elevada cultura e adiantada civilização. Que dizer de nós, que estamos a serviço do Rei Jesus, o Senhor do Universo, que o criou e sustenta pelos séculos dos séculos? Foi por entender isto que muitos cristãos, "mes­mo em face da morte, não amaram a própria vida" (Ap 12.11).

O servo do Senhor é dotado de autoridade para o exercício de suas funções. Só não toma posse dessa bênção quem não sabe da existência de um poder imen­so à sua disposição, ou não exerce a fé para isso.

PERGUNTAS DA LIÇÃO

1. Qual o significado da palavra grega KURIOS? A quem era aplicada?

2. Cite algumas provas de que Jesus é Deus.

3. Por que podemos afirmar que o discípulo é dotado de poder para servir a Cristo?

4. Como a
igreja pode canalizar o potencial dos seus membros para o servi­ço cristão?

5. Por que o discipulado, para ser eficaz, necessita de poder?

É formado em Teologia,  Análise e desenvolvimento de Sistemas e Licenciatura em Matemática. Especializado  em Tecnologias de aprendizagem a distância,  produção de conteúdos digitais para a Internet e Mestre em Teologia.

 >>  MAIS INFORMAÇÕES SOBRE O AUTOR

compartilhe esta mensagem:

Facebook
Google+
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Pinterest
Print
Email

Postagens relacionadas

CURSOS EAD
Faça um curso Ead 
Gratuito
com certificação

Cursos a distância gratuitos

Cursos Ead parceria 
Setebras

Curso Ead: Introdução ao Marketing digital

Curso Ead gratuito parceria com o Setebras.

Curso Ead: Introdução ao Marketing digital

Mais informações aqui

Curso Ead: Gestão de Projetos

Curso Ead gratuito parceria com o Setebras.

Curso Ead: Gestão de Projetos

Mais informações aqui

Curso Ead: Inovação e Criatividade

Curso Ead gratuito parceria com o Setebras.

Curso Ead: Inovação e criatividade

Mais informações aqui
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
POSTAGENS ANTERIORES

Faça um curso teológico Gratuito

QUER FAZER UM CURSO DE TEOLOGIA GRATUITAMENTE?

Faça um curso de teologia com acesso gratuito a todo o conteúdo em nosso ambiente de educação a distância. 

 

CLIQUE AQUI PARA MAIS INFORMAÇÕES


 

Veja também o nosso vídeo divulgativo:

Assine este site.

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 6.987 outros assinantes

Rolar para cima
%d blogueiros gostam disto: