Pastor Josias Moura

Estudos Bíblicos, sermões, cursos ead, Teologia, Bibliotecas digitais, apostilas

Bibliologia – Parte 01

INTRODUÇÃO

Vivemos em uma época em que a fé cristã se encontra cercada pelo ceticismo, racionalismo e materialismo, entre outros “ismos” que tentam colocar em descrédito a verdade absoluta da Palavra de Deus.

Desde longas datas, a Bíblia tem sido desafiada em sua veracidade. Há, em toda a história do cristianismo, uma luta constante do inimigo em tentar destruir a Bíblia Sagrada. Entretanto, ao que parece, as forças espirituais do mal, nesses tempos finais, estão deixando de lado suas táticas antigas e, agora, estão tentando perverter a mensagem das Escrituras.

Seitas e doutrinas falsas proliferam por toda parte e, em sua maioria, iniciadas e conduzidas por líderes que, quase sempre, se consideram inspirados por uma “divindade”, ou seja, por um “espírito divino”. Para muitos, a Bíblia não passa de mais um livro, como qualquer outro.

Diferente dessa concepção, os cristãos creem na Palavra de Deus de forma sólida, convicta e inalterável. Não é por acaso que a Bíblia é considerada o Livro dos livros, o maior Livro de todos os tempos. Por meio de sua leitura, o homem pode ter conhecimento das coisas importantes do passado, do presente e do futuro.

Para que a fé do leitor seja fortalecida, serão apresentadas, neste trabalho, ainda que de forma concisa, algumas provas da origem das Escrituras, as quais evidenciam a Bíblia como sendo a verdadeira Palavra de Deus.

Desejamos que, ao término desta leitura, o leitor seja edi- ficado e chegue à conclusão de que vale a pena conhecer a Bíblia.

Capítulo 1

A BÍBLIA

O vocábulo “bíblia” não se acha escrito em nenhum texto das Sagradas Escrituras. Pelo contrário, consta apenas da capa da Bíblia. Etimologicamente, a palavra “bíblia”, utilizada na língua portuguesa, vem do termo biblos, que significa “um livro”.

No primeiro livro do Novo Testamento, lemos: “Livro [bi­blos} da genealogia de Jesus Cristo” (Mt 1.1). A Forma diminutiva de biblos é biblion, que significa “pequeno livro”, expressão que pode ser lida no texto de Lucas 4.17, que diz: “E foi-lhe dado o livro [biblion] do profeta Isaías; e, quando abriu o livro [biblion], achou o lugar em que estava escrito…”.

A origem do termo biblos vem do nome dado à polpa in­terna da planta do papiro em que se escreviam os livros sa­grados. O significado da palavra Bíblia é: “coleção de livros pequenos”.

Com a invenção do papel, os rolos desapareceram e, então, a palavra biblos deu origem ao termo livro. Os doutores nesse assunto são de comum acordo de que foi João Crisóstomo, patriarca de Constantinopla, que usou, pela primeira vez, o nome “bíblia”, no século 4°.

Outros nomes

A Bíblia é, também, chamada de Escritura (Mc 12.10; 15.28; Lc 4.21; Jo 2.22; 7.38; 10.35; Rm 4.3; G1 4.30; 2Pe 1.20) e/ou de Escrituras (Mt 22.29; Mc 12.24; Lc 24.27; Jo 5.39; At 17.11; Rm 1.2; lCo 15.3,4; e 2Pe 3.16).

Em verdade, a palavra Escritura (ou Escrituras) é uma derivação do vocábulo latim scriptura, que significa “escritos sagrados”. O apóstolo Paulo usou as expressões “sagradas es­crituras” (Rm 1.2), “sagradas letras” (2Tm 3.15) e “oráculos de Deus” (Rm 3.2).

Todavia, um dos nomes mais descritivos e satisfatórios da Bíblia é Palavra de Deus (Mc 7.13; Rm 10.17; 2Co 2.17; lTs 2.13; Hb 4.12).

A estrutura da Bíblia

A Bíblia se divide em duas partes: o Antigo Testamento e o Novo Testamento. O Antigo contém 39 livros e o Novo, 27. Ao todo, são 66 livros.

Escrita num período de 1500 anos, a Bíblia teve cerca de 40 autores, das mais variadas profissões e atividades. Es­ses homens viveram e escreveram em épocas e lugares di­ferentes. Estavam distantes uns dos outros, entretanto, seus escritos formam uma harmonia perfeita. Dois deles eram reis: Davi e Salomão. Jeremias e Ezequiel, sacerdotes. Lu­cas, médico. Pedro e João, pescadores. Moisés e Amós, pas­tores. O apóstolo Paulo era fariseu. Daniel, político. Ma­teus, cobrador de impostos. Josué, soldado. Esdras, escriba. E Neemias, mordomo.

Com isso, podemos ver que apenas um ser estava dirigindo aqueles quarenta autores no registro da revelação divina: Deus.

A palavra testamento, nas designações Antigo Testamento e Novo Testamento, tem sua origem no vocábulo latim tes- tamentum e, no vocábulo grego, diathéke, cujo significado, na maioria de suas ocorrências na Bíblia grega, é “concerto” ou “aliança”, em vez de “testamento”. Em Jeremias 31.31, foi pro­fetizado um novo concerto que iria substituir aquele que Deus fez com Israel no deserto (Ex 24.7-8). Lemos em Hebreus 8.13: “Dizendo novo concerto, envelheceu o primeiro”.

Os escritores do Novo Testamento vêm o cumprimento da profecia do novo concerto na nova ordem inaugurada pela obra de Cristo. Suas próprias palavras, ao instituir esse con­certo (lCo 11.25), dão autoridade a esta interpretação. Os termos Antigo Testamento e Novo Testamento, nomeados para as duas coleções de livros da Bíblia, entraram no uso ge­ral entre os cristãos na última parte do século 2°. Tertuliano traduziu o vocábulo grego diathéke para o termo latim instru- mentum (um documento legal) e, também, por testamentum. Infelizmente, foi a última palavra que vingou, considerando- -se que as duas partes da Bíblia não são “testamentos” no sentido ordinário do termo.

O Antigo Testamento

Na Bíblia hebraica, os livros estão dispostos em três di­

visões: lei, profetas e os escritos. Ao todo, somam 24 livros, sendo que esses livros correspondem exatamente ao nosso computo comum de 39, visto que os judeus contam como sendo um único livro os doze profetas, 1 e 2 Samuel, 1 e 2 Reis, 1 e 2 Crônicas e Esdras-Neemias.

Escrito originalmente em hebraico, com exceção de pe­quenos trechos em aramaico, esse vernáculo, ou seja, o Anti­go Testamento, foi trazido por Israel em sua bagagem quan­do regressou da Babilônia. Há, também, algumas palavras persas. O historiador judeu Flávio Josefo contou 22 livros porque reuniu Rute ajuizes e Lamentações a Jeremias.[I]

Vejamos cada divisão:

A lei {tora}: comumente chamada de Pentateuco, essa parte é composta por cinco livros: Gênesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio.

Os profetas {nebhiim}: desdobram-se em duas subdivi­sões: os “primeiros profetas”, compreendendo Josué, Juizes, Samuel e Reis; e os “últimos profetas”, formados por Isaías, Jeremias, Ezequiel e “ Livro dos doze profetas”.

Os Escritos {kethbhim}: contêm o restante dos livros; a sa­ber: Salmos, Provérbios, Jó. Há, ainda, os “cinco rolos” {me- gillotlj)’. Cântico dos Cânticos, Rute, Lamentações de Jere­mias, Eclesiastes e Ester. E, finalmente, os livros históricos: Daniel, Esdras-Neemias e Crônicas.

Esta divisão em três partes da Bíblia hebraica está de acor­do com as palavras de Jesus, que disse: “São estas as palavras que vos disse, estando ainda convosco: convinha que se cum­prisse tudo o que de mim estava escrito na lei de Moisés, e nos Profetas, e nos Salmos” (Lc 24.44).

Mais comumente, o Novo Testamento refere-se “à Lei e aos Profetas” (Mt 7.12) ou “a Moisés e aos Profetas” (Lc 16.29).

O Novo Testamento

O Antigo Testamento registra o que Deus falou no pas­sado, muitas vezes e de muitas maneiras, aos pais, pelos pro­fetas. Já o Novo Testamento, a palavra final que Deus falou por intermédio do seu Filho, Jesus Cristo, em quem tudo se consumou (Hb 1.1).

O Novo Testamento é composto de 27 livros e foi escrito no grego, não no grego clássico dos eruditos, mas no grego do povo comum chamado koiné. Seus 27 Livros estão classi­ficados em quatro grupos, conforme o assunto a que perten­cem. Vejamos:

Biográficos (ar quatro evangelhos): Mateus, Marcos, Lucas e João. Descrevem a vida terrena do Senhor Jesus e seu glo­rioso ministério. Os três primeiros evangelhos são chamados “sinópticos”, devido a certo paralelismo que têm entre si.

Histórico: Atos dos Apóstolos, que registra a história da Igreja primitiva, o seu modo de vida e a propagação do evan­gelho, e tudo sob a inspiração do Espírito Santo, conforme Jesus havia prometido.

Epístolas (21 livros): de Romanos ajudas e todas elas con­têm a doutrina da Igreja. Nove dessas epístolas (ou cartas) são dirigidas às igrejas locais. Quatro a indivíduos. Uma aos he- breus cristãos. E sete a todos os cristãos, indistintamente.

Profético: Apocalipse, ou Revelação. Trata da volta pes­soal do Senhor Jesus à terra e das coisas que precederão esse glorioso evento. Em Apocalipse, temos a evidência de Jesus vindo com seus santos para as seguintes realizações:

  • Destruir o poder gentílico mundial sob o reinado da besta.
  • Livrar Israel, que estará no centro da grande trlbula- ção.
  • Julgar as nações.
  • Estabelecer o seu reino milenar.

Os primeiros documentos do Novo Testamento a serem escritos foram as epístolas do apóstolo Paulo. E essas cartas, possivelmente, com a epístola de Tiago, foram compostas entre os anos 48 e 60 d.C., antes mesmo que o mais antigo dos evangelhos fosse redigido. Os quatro evangelhos perten­cem às décadas que variam entre os 60 e 100 d.C. E é justa­mente a esse período que se atribui o outro escrito do Novo Testamento.

O tema central da Bíblia

Jesus é o tema central da Bíblia. E foi o próprio Jesus quem declarou isso em João 5.39, quando disse: “Exa­minais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam”.

A mensagem central da Bíblia é a história da salvação e, ao longo dos dois testamentos, podem ser distinguidos três elementos comuns nessa história reveladora: Aquele que traz a salvação, o meio de salvação e os herdeiros da salvação. Isso poderia ser reformulado sob o aspecto da ideia do concerto, dizendo que a mensagem central da Bíblia é o concerto de Deus com os homens e que os elementos comuns são o Me­diador do concerto, a base do concerto e o povo do concerto. O próprio Deus é o Salvador de seu povo. E é justamente o Senhor Deus que confirma o seu concerto de misericórdia com o seu povo. E é, também, o próprio Deus quem envia a salvação. O Mediador do concerto é Jesus Cristo, o Filho de Deus. O meio da salvação, a base do concerto, é a graça de Deus, que exige de seu povo uma resposta de fé e obediência. Os herdeiros da salvação, o povo do concerto, são os israeli­tas; ou seja, o Israel de Deus, a Igreja de Deus.

Tomando o Senhor Jesus como o tema central da Bíblia, os 66 livros podem, então, ser resumidos em cinco tópicos referentes ao Senhor Jesus. Vejamos:

Preparação. Todo o Antigo Testamento trata da prepara­ção de Deus para o advento de Cristo.

Manifestação. Pode ser vista nos evangelhos, que tratam ex­clusivamente desse assunto: a manifestação de Cristo.

Propagação. Atos dos Apóstolos é o livro que trata da pro­pagação de Cristo.

Explanação. As epístolas, que são as explanações das doutrinas de Cristo.

Consumação. O livro de Apocalipse, que trata da consu­mação de todas as coisas preditas por meio de Cristo.

A mensagem da Bíblia é a mensagem de Deus para o ho­mem, comunicada muitas vezes e de muitas maneiras, con­forme Hebreus 1.1, e, finalmente, encarnada em Jesus. Por conseguinte, “a autoridade da Santa Escritura, a qual deve ser crida e obedecida, não depende do testemunho de algum homem ou igreja, mas inteiramente de Deus, seu Autor. Por­tanto, essa mensagem deve ser recebida por ser a Palavra de Deus” (Confissão de Fé de Westminster – 1.4).

Fatos e particularidades da Bíblia

No início, a Bíblia não era dividida em capítulos e versí­culos. A divisão em capítulos foi feita em 1250, pelo cardeal Hugo de Saint Cher, abade dominicano e estudioso das Es­crituras.

A divisão em versículos foi realizada em duas vezes. O An­tigo Testamento, em 1445, pelo rabi Nathan. O Novo Testa­mento, em 1551, por Robert Stevens, um impressor de Paris.

A primeira Bíblia a ser publicada inteiramente dividida em capítulos e versículos foi a Bíblia de Genebra, em 1560.

E de suma importância que o aluno compreenda que essas divisões não faziam parte dos textos originais; ou seja, não foram inspiradas.

A Bíblia toda contém 1.189 capítulos e 31.173 versículos, estando assim distribuídos: o Antigo Testamento possui 929 capítulos e 23.214 versículos e o Novo Testamento, 260 ca­pítulos e 7.959 versículos.

O número de palavras e letras depende do idioma e da ver­são. O maior capítulo é o Salmo 119 e o menor, o Salmo 117.

O maior versículo encontra-se em Ester 8.9 e o menor, em Exodo 20.13. Isso nas versões portuguesas, com exceção da chamada Tradução Brasileira, onde o menor versículo é Lucas 20.30.

Nos livros de Ester e Cantares de Salomão não consta o nome de Deus, porém, a presença de Deus é evidenciada nos fatos que se desenrolam, prlnclpalmente em Ester.

Há, na Bíblia, 8 mil menções de Deus sob vários nomes divinos e 177 menções do diabo e seus vários nomes.

O nome de Jesus consta do primeiro e do último versículo do Novo Testamento. As traduções da Bíblia (toda ou em parte) até 1984 atingiram 1.796 idiomas. Restam, ainda, cer­ca de mil línguas a serem traduzidas.

Jesus e seu conceito das Escrituras

Muitas pessoas já ouviram falar de Jesus. Sabem quem Ele é. Creem que Ele operou muitos milagres. Creem em sua res­surreição e ascensão. Mas, infelizmente, não creem na Bíblia!

Qual foi a posição de Jesus sobre a Bíblia? Ele leu as Es­crituras (Lc 4.16-20), ensinou as Escrituras (Lc 24.27), cha­mou as Escrituras de Palavra de Deus (Mc 7.13) e, por fim, cumpriu as Escrituras (Lc 24.44).

Em uma de suas últimas referências à Palavra (Lc 24.44), Jesus aprovou as Escrituras do Antigo Testamento. Quanto ao Novo Testamento, também afirmou que as Escrituras são a Verdade (Jo 17.17). Jesus viveu e procedeu de acordo com as Escrituras (Lc 18.31). Declarou que o salmista Davi fa­lou pelo Espírito Santo (Mc 12.35,36). Venceu o diabo no deserto com a Palavra de Deus (Mt 4.9,10). Declarou que “aquele Consolador, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar de tudo quanto vos tenho dito” (Jo 14.26).

No mesmo evangelho, o Senhor Jesus ainda disse que o Espírito Santo os guiaria “em toda a verdade”. Portanto, no Novo Testamento, temos a essência da revelação divina.

Jesus, nos seus ensinos, citou pelo menos quinze Livros do Antigo Testamento, e ainda fez alusão a muitos outros. Tanto no modo de falar quanto nas declarações específicas, demonstrava, com clareza, o seu zelo pelas Escrituras do An­tigo Testamento como sendo a Palavra de Deus.

O Mestre da Galileia reivindicava a autoridade divina não somente em favor das Escrituras do Antigo Testamen­to, mas, também, em favor de seus próprios ensinos. Tanto é que chegou a afirmar que “o que ouve as suas palavras e as pratica, é sábio” (Mt 7.24), porque os seus ensinos provêm de Deus (Jo 7.15-17; 8.26-28; 12.48-50; 14.10).


[I] JOSEFO, Flávio. História dos hebreus – Contra Apion. I, S.

É formado em Teologia,  Análise e desenvolvimento de Sistemas e Licenciatura em Matemática. Especializado  em Tecnologias de aprendizagem a distância,  produção de conteúdos digitais para a Internet e Mestre em Teologia.

 >>  MAIS INFORMAÇÕES SOBRE O AUTOR

compartilhe esta mensagem:

Facebook
Google+
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Pinterest
Print
Email

Postagens relacionadas

CURSOS EAD
Faça um curso Ead 
Gratuito
com certificação

Cursos a distância gratuitos

Cursos Ead parceria 
Setebras

Curso Ead: Introdução ao Marketing digital

Curso Ead gratuito parceria com o Setebras.

Curso Ead: Introdução ao Marketing digital

Mais informações aqui

Curso Ead: Gestão de Projetos

Curso Ead gratuito parceria com o Setebras.

Curso Ead: Gestão de Projetos

Mais informações aqui

Curso Ead: Inovação e Criatividade

Curso Ead gratuito parceria com o Setebras.

Curso Ead: Inovação e criatividade

Mais informações aqui
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
POSTAGENS ANTERIORES

Faça um curso teológico Gratuito

QUER FAZER UM CURSO DE TEOLOGIA GRATUITAMENTE?

Faça um curso de teologia com acesso gratuito a todo o conteúdo em nosso ambiente de educação a distância. 

 

CLIQUE AQUI PARA MAIS INFORMAÇÕES


 

Veja também o nosso vídeo divulgativo:

Assine este site.

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 6.986 outros assinantes

Rolar para cima
%d blogueiros gostam disto: