Pastor Josias Moura

Estudos Bíblicos, sermões, cursos ead, Teologia, Bibliotecas digitais, apostilas

03.05.2015 – ESTUDO EBD. TEMA: Parte 02 – Recomendações Finais – Tiago 5:12-20

clique aqui para baixar copia para impressão

Parte 02 – Recomendações Finais – Tiago 5:12-20

1.              No verso 14 Tiago diz: “Entre vocês há alguém que está doente? Que ele mande chamar os presbíteros da igreja, para que estes orem sobre ele e o unjam com óleo, em nome do Senhor. Vemos aqui uma terceira razão para orarmos: a enfermidade. A oração aos enfermos, pelo que lemos aqui em Tiago, deveria ser feita pelos presbíteros. A igreja primitiva certamente copiou a sinagoga nesta questão. Os presbíteros eram homens de uma grande espiritualidade, líderes da igreja que se ocupavam em supervisionar espiritual mente a igreja. A frase “para que estes orem sobre ele”, aponta para a atitude tomada pelos presbíteros que deveriam impor as mãos sobre a pessoa enferma”. Entretanto não podemos imaginar que somente o pastor tem este poder de cura. Qualquer cristão – em comunhão com o Senhor — pode orar pelos enfermos. O poder não está na pessoa, mas no nome de quem oramos, o nome de Jesus Cristo.

2.              Ainda o verso 14 nos traz uma orientação que até hoje gera uma certa polêmica. É certo ungir uma pessoa enferma? Qual o propósito da unção com óleo? Nós sabemos que esta era uma prática do Antigo Testamento, em que reis e sacerdotes eram ungidos literalmente com óleo, para ocuparem suas funções (Êx. 40:13-15; Jz. 9:8; 1 Sm. 9:16). Já a unção dos profetas era dada diretamente por Deus como uma operação espiritual (1 Rs. 19:16; 1 Cr. 16:22; SI. 105:15). A unção envolvia outros aspectos. Podemos ver que coisas eram ungidas, tais como escudos (2 Sm. 1:21; Is. 21:5), o tabemáculo e seus utensílios (Êx. 30:26-29; 40:9-11) e o altar (Êx. 29:36). Além dos reis, sacerdotes e profetas, os hóspedes e estranhos também podiam ser un­gidos como sinal de respeito (Lc. 7:38,46), sendo uma prática muito antiga (Sl. 23:5; Pv. 21:7; 27:9; Sb. 2:7). Até os mortos podiam ser ungidos. Essa unção era feita após a lavagem do corpo, talvez no sentido de consagrar o morto a Deus (Nm. 5:22; Jr. 8:22; Mc. 14; 1; Lc. 23:56).

3.              É importante entendermos que o óleo era largamente usado como re­médio no mundo antigo. Na parábola, Jesus diz que o homem que estava quase que morto no chão foi socorrido pelo samaritano que “Aproximou-se, enfaixou-lhe as feridas, derramando nelas vinho e óleo” (Lc. 10:34). Mui­tos na antiguidade criam que o óleo curava qualquer tipo de doença, e o famoso médico Galeno, no segundo século, recomendava o óleo como o melhor remédio para a paralisia.

4.              Observando todos estes aspectos, entendemos que Tiago está orien­tando aos presbíteros que, ao se aproximarem do leito do enfermo, utilizem-se de recursos espirituais e naturais, ou seja, a oração e o remédio. Tanto um como o outro pode ser administrado com a autoridade do Senhor, e ambos podem cooperar na cura do enfermo. Infelizmente nem todos compreendem desta forma, porque parece não ser espiritual o processo. O grande problema é que muitos tentam espiritualizar as coisas sem observar o contexto como um todo, e por isso vemos cultos com “unções” que mais parecem estar ligadas a um sacramentalismo do que um princípio bíblico.

5.              A Bíblia usa duas palavras gregas que significam “ungir”, são elas aleiphô e chriô . No texto de Tiago 5:14 a palavra que aparece é aleiphô. Esta observação pode nos ajudar a entender o sentido da frase “e o unjam com óleo”.

6.              Tiago complementa sua idéia no verso 15: “A oração feita com fé curará o doente; o Senhor o levantará. E se houver cometido pecados, ele será perdoado. Algumas traduções dizem “e a oração da fé salvará o doente…” É importante lembramos que a salvação aqui neste versículo aponta para a cura física, e não espiritual, da alma, como os católicos creem. A palavra sôzô significa salvar, curar. Aqui ela tem o sentido de “res­taurar a saúde”. Desta forma, Tiago diz que o “Senhor o levantará”.  A palavra grega egeirô significa levantar, levantar do leito de enfer­midade, ficar são. A expressão descrever o vigor físico renovado daqueles que foram curados (Mt. 9:6; Mc. 1:31; At. 3:7). Sendo assim, dá para enten­der a visão que Tiago tem cm mente. Os presbíteros orando sobre o enfermo no leito, e o Senhor agindo para levantá-lo daquela situação.

7.              Agora vem uma questão muito controversa. A doença é ocasionada pelo pecado? Para alguns, toda enfermidade é ocasionada pelo pecado, já outros defendem uma Linha menos rigorosa e procuram entender o contexto como um todo. É certo que o pecado trouxe ao mundo um desequilíbrio em todos os sentidos. Antes de pecar o homem não tinha enfermidade, mas a partir da queda a morte física atinge toda a humanidade e com isso a enfer­midade é uma conseqüência natural. Mas será que toda enfermidade é fruto de algum pecado? A resposta é não. Podemos ver que Tiago tem esta visão quando ele diz: “E se houver cometido pecados”. Tiago segue a linha de pensamento de Jesus (João 9:2,3), mostrando que a doença não é, necessari­amente, resultado do pecado.

8.              E os pecados perdoados? Será que se refere a algo místico, a uma cura da alma? A resposta é não. A idéia da extrema-unção que procura con­ferir uma graça a mais aqui é errônea. O que está em foco aqui não é nem a cura e muito menos o perdão, e sim a oração. A oração deve estar centrada em Deus e no Seu poder. A fé é a confiança de que Deus vai agir, de que a sua vontade será feita completamente.

9.              No verso 16 Tiago prossegue: “Portanto, confessem os seus pecados uns aos outros e orem uns pelos outros para serem curados. A oração de um justo é poderosa e eficaz.”.Aqui o apóstolo está encorajando os seus ouvintes a uma busca por perdão e reconciliação mútuos. Os pecados não atrapalham somente a nossa vida, mas também a nossa comunhão uns com os outros. E certo que Tiago está apontando para a necessidade dos cristãos buscarem a reconciliação com aqueles que sofreram através de ações peca­minosas.

10.           Tiago conclui dizendo que “A oração de um justo é poderosa e eficaz”,ou seja, o poder da oração não está limitada aquela idéia de “super-santos”, e sim de pessoas justas. O justo designa a pessoa sinceramen­te comprometida com Deus e que busca de todo o coração fazer e compre­ender a sua vontade. Champlin diz que “a oração é um ato criador; modi­fica as pessoas e altera as circunstâncias, mas só tem verdadeira eficá­cia nas mãos do justo, que se toma um vaso para a manifestação do poder de Deus.”

11.           Como exemplo de um homem justo, Tiago menciona Elias: “Elias era humano como nós. Ele orou fervorosamente para que não chovesse, e não choveu sobre a terra durante três anos e meio. Orou outra vez, e os céus enviaram chuva, e a terra produziu seus frutos.” (v.17,18). Elias era uma das figuras mais populares entre os judeus. Ele era exaltado por seus milagres poderosos c suas denúncias proféticas do pecado. Acima de tudo, ele era esperado para preparar o caminho do Messias (Ml. 4:5,6; Eclo. 48:1 – 10; Mc. 9:12; Lc. 1:17). Mas o que interessa a Tiago não são os dotes profé­ticos e tampouco sua ação em grandes milagres, mas o fato de ele ser um homem como nós. A ênfase está no fervor de Elias que se colocou nas mãos de Deus para fazer a vontade dEle.

12.           A grande lição que estes versículos nos ensinam é que um homem justo e reto pode fazer grandes coisas para Deus. Geralmente temos a ten­dência de querer que alguma coisa sobrenatural aconteça conosco. Talvez que o chão trema, ou que possamos ouvir uma voz suave sussurrando no ouvido, ou quem sabe uma mão invisível na cabeça. Mas esquecemos que é a obediência que Deus requer dc nossa parte. Elias era humano, com as mesmas limitações e fraquezas, porém se dispôs a obedecer ao Senhor em qualquer situação. O nosso desenvolvimento espiritual resultará no poder de Deus agindo cm nós. Como disse Jesus: “Digo-lhes a verdade: Aquele que crê em mim fará também as obras que tenho realizado. Pará coisas ainda maiores do que estas, porque eu estou indo para o Pai.” (Jo. 14:12).

13.           Tiago termina sua carta fazendo um apelo: “Meus irmãos, se algum de vocês se desviar da verdade e alguém o trouxer de volta, lembrem-se disso: Quem converte um pecador do erro do seu caminho, salvará a vida dessa pessoa e fará que muitíssimos pecados sejam perdoados.” (v. 19,20).

14.           O apóstolo abordou diversos problemas: a língua pecaminosa, desobediência, falta de sensibilidade com os outros, mundanismo, brigas, arro­gância. Agora ele incentiva os cristãos a agirem de forma positiva com aque­les que se afastaram da comunhão e da verdade. Afastar-se da verdade é um sinônimo de afastar-se da doutrina cristã e do Evangelho de Jesus Cristo. Para Tiago, doutrina correta está ligada a um comportamento correto. Aqui­lo que a mente pensa, e a boca confessa, o corpo faz. Se não houver isso, então o que ocorre na realidade é falsidade e pecado.

15.           Nós como cristãos devemos nos preocupar com aqueles que se desvi­am e com todas as forças devemos buscá-los de volta. Não podemos ter duas atitudes comuns entre os cristãos de hoje. A primeira é a omissão. Muitos cristãos vêem o erro de outros irmãos e não falam, não questionam. Será o medo de serem apanhados também? A segunda é a condenação. Ou­tros se colocam acima do bem e do mal e, ao invés de ajudar, jogam no | inferno o irmão que estava precisando de ajuda. Estas atitudes são antibíblicas e não correspondem ao amor demonstrado por Jesus.

16.           Mas o que significa para Tiago a expressão: “salvará a vida dessa pessoa e fará que muitíssimos pecados sejam perdoados.”? É possível que Tiago esteja se referindo à punição escatológica (cf. 1:21), em que somente aquele que se desvia é que corre o risco de passar por este julgamento. Ele se alinha a outros textos bíblicos, e retrata a morte como o destino final do caminho que o pecador determinou seguir. Quando volta deste caminho, ele salva a sua vida (Ez. 18:27; Rm. 6:23). Os muitíssimos pecados perdoados talvez sejam uma alusão a Provérbios 10:12. O “cobrir” é a idéia de que nosso esforço para levarmos pessoas ao arrependimento trará benefícios à nossa posição espiritual. Isso está de acordo com a posição bíblica, já que o Senhor promete a Ezequiel que ele salvará a sua alma, se for fiel em avisar seu povo a respeito do perigo do julgamento que ele corria (Ez. 3:21). Paulo disse a Timóteo que ele salvaria tanto ele mesmo quanto aos seus ouvintes, se tomasse cuidado dele mesmo e da doutrina (1 Tm. 4:16). E claro aqui que Tiago está incentivando seus ouvintes a buscarem os perdidos, mas princi­palmente os desviados da fé.

 

 

É formado em Teologia,  Análise e desenvolvimento de Sistemas e Licenciatura em Matemática. Especializado  em Tecnologias de aprendizagem a distância,  produção de conteúdos digitais para a Internet e Mestre em Teologia.

 >>  MAIS INFORMAÇÕES SOBRE O AUTOR

compartilhe esta mensagem:

Facebook
Google+
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Pinterest
Print
Email

Postagens relacionadas

CURSOS EAD
Faça um curso Ead 
Gratuito
com certificação

Cursos a distância gratuitos

Cursos Ead parceria 
Setebras

Curso Ead: Introdução ao Marketing digital

Curso Ead gratuito parceria com o Setebras.

Curso Ead: Introdução ao Marketing digital

Mais informações aqui

Curso Ead: Gestão de Projetos

Curso Ead gratuito parceria com o Setebras.

Curso Ead: Gestão de Projetos

Mais informações aqui

Curso Ead: Inovação e Criatividade

Curso Ead gratuito parceria com o Setebras.

Curso Ead: Inovação e criatividade

Mais informações aqui
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
POSTAGENS ANTERIORES

Faça um curso teológico Gratuito

QUER FAZER UM CURSO DE TEOLOGIA GRATUITAMENTE?

Faça um curso de teologia com acesso gratuito a todo o conteúdo em nosso ambiente de educação a distância. 

 

CLIQUE AQUI PARA MAIS INFORMAÇÕES


 

Veja também o nosso vídeo divulgativo:

Assine este site.

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 6.987 outros assinantes

Rolar para cima
%d blogueiros gostam disto: